Desesperado com a possibilidade de ser embargado pela Justiça, Camarote Salvador usa mídia para propagar mentiras

ATUALIZAÇÃO: ENTIDADES NEGRAS NEGAM APOIO AO CAMAROTE SALVADOR – CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS.

Camarote Salvador ataca DPU e se diz “maior empreendimento” do Carnaval da Bahia

Por Josias Pires

O Jornal Correio da Bahia publicou na edição desta terça-feira (14), na página 3, uma Nota de Repúdio à Ação Civil Pública ajuizada pela Defensoria Pública da União, que pede o embargo e a supressão da estrutura já montada do Camarote Salvador, na área da Praça de Ondina, no final do circuito Barra-Ondina, em decorrência das inúmeras ilegalidades e irregularidades observadas no processo de ocupação da praça pela empresa Premium, proprietária do camarote.

A nota de repúdio foi assinada por cerca de 20 organizações vinculadas ao Carnaval de Salvador, auto denominadas como o “setor produtivo do Carnaval da Bahia”; e está construída de modo a passar a tese de que o pedido de apuração dos problemas judiciais do Camarote Salvador seriam suficientes para afetar todo o Carnaval da Bahia. E que os seus críticos – cidadãos e organismos públicos que defendem o cumprimento da Lei – estariam “de maneira oportunista e midiática” tentando “tumultuar e comprometer a festa de dezenas de milhares de turistas”, ou seja, de todo o público do Carnaval da cidade.

CLIQUE AQUI PARA LER A RESPEITO DAS RAZÕES QUE LEVARAM A DEFENSORIA PÚBLICA A AJUIZAR AÇÃO CONTRA O CAMAROTE SALVADOR.

O Camarote Salvador age como se a cidade fosse a sua própria casa, considera a atitude da Defensoria Pública da União uma “violência contra o Carnaval de nosso povo”; e, ao mesmo tempo, busca desqualificar o ponto de vista dos seus críticos, tentando confundir os interesses do Camarote com o de todo o Carnaval. Para os signatários da nota “o Carnaval, a Bahia e os baianos não merecem o desserviço que se presta quando, com alegações sem consistência, às vésperas da realização de um evento organizado, que gera emprego e renda para muitos e muitos trabalhadores, se pretende frustrar a maior festa do Mundo”.

Em nota à imprensa respondendo a nota de repúdio do Camarote, a Defensoria Pública da União explica que “esta ação em nada afeta o Carnaval de Salvador tendo em vista que o seu objeto se restringe a um contrato específico, que também é objeto de apuração pelo Ministério Público Federal e Ministério Público do Estado da Bahia”.

Ora, o que cidadãos mobilizados e organismos públicos estão buscando são a legalidade e o cumprimento da Justiça visando uma cidade melhor em benefício de todos. O Camarote Salvador avançou sobre a praia – área da União – e ocupa uma praça pública e obteve para isto a autorização do Serviço de Patrimônio da União (SPU) e do órgão que controla a ocupação e uso do solo (Sucom) do município. O que a sociedade quer saber é a legalidade de todos esses atos e quer a praça de volta para todos os cidadãos.

A estratégia do Camarote Salvador tem sido tentar confundir a opinião pública, classificando a mobilização da cidadania como sendo motivado pela violência física contra o camarote.

CLIQUE AQUI PARA LER A NOTA PÚBLICA DO MOVIMENTO DESOCUPA SOBRE O ASSUNTO.

Em nota pública do Movimento Desocupa lê-se que o Camarote Salvador “afirma ter “assumido o pagamento” de R$ 1.000.000,00, mas não declara tê-lo efetivado, como de fato não poderia fazer, e esconde ter sido multado pela superintendência do patrimônio da União no valor de R$ 374.324,05, tendo momentaneamente conseguido transferir tal despesa para o Município de Salvador, com base no inacreditável argumento de que desconhecia que terreno de marinha, incluída área de praia, faz parte do patrimônio da União”.

O empresa Premium, proprietária do camarote, tenta desqualificar a ação ajuizada pela Defensoria Pública da União, apesar de encontrar-se no Ministério Público documentação que “demonstra cabalmente diversas irregularidades na licitação e na forma como houve a autorização para a construção do camarote. Prova disso é que durante meses a obra teve que permanecer parada, sendo autorizado seu seguimento em 12/12/2011, com a estipulação de condições que não foram atendidas pela Premium.”

Numa demonstração cabal do poder político e econômico que detém os proprietários do Camarote Salvador, que controlam a empresa municipal de turismo, que foi indicado pelo partido Democratas, atualmente firme aliado do prefeito João Henrique – a nota de repúdio publicada no jornal Correio leva a assinatura não apenas daquelas entidades visivelmente ligada aos interesses econômicos do camarote, mas também entidades como o Fórum de Entidades Negras da Bahia, que congrega os blocos afros, como o Ilê Aiyê e Os Negões, e associações dos blocos de samba e de percussão, que sequer desfilam no circuito Barra-Ondina.

Este fato surpreendente pede explicações na história do Carnaval de Salvador das últimas décadas, que vive agora momento diferente daqueles Carnavais de rua em que o trio elétrico era o rei absoluto da festa. Acontece que a mercantilização deslavada e descontrolada foi a etapa seguinte. Hoje quem manda no carnaval são os blocos de trio e agora os Camarotes, que se apropriaram da festa tornando-a tão somente um negócio. Porém o Carnaval, é o óbvio ululante, é festa mais antiga e poderosa do que todas essas estrelas fugazes do atual carnaval soteropolitano. A festa e a cidade desejam e precisam ser reinventadas a partir da sua própria história profunda e das necessidades contemporânea.

Este conflito com o Camarote Salvador é a ponta do iceberg.

CLIQUE AQUI PARA LER ESTE ARTIGO NO SITE BAHIA NA REDE.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s